terça-feira, 29 de novembro de 2016

Jovens cheios do Espirito Santo

Eu vos escrevi, jovens, porque sois forte, e a palavra de Deus está em vós, e já vencestes o maligno. (1Jo.2.14). E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do Espírito (Ef.5.18).   


O grande desafio deste século é ser cheio do Espírito Santo, e se manter cheio. Ser cheio do Espírito Santo implica em esvazia-se de si e das coisas mundanas, e procurar viver para Deus, sem reservas. Para ser cheio do Espírito Santo é preciso primeiro se esvaziar de tudo que é contrário a vontade de Deus. Nem todos que dizem ter o Espírito Santo, são cheios do Espírito Santo. Ser cheio do Espírito Santo, não é simplesmente ser batizado com o Espírito Santo ou falar em línguas estranhas; também não é ter a experiência do novo nascimento ou ter um grande conhecimento teológico; é muito mais que isto. Ser cheio do Espírito Santo é ter a capacidade dada pelo Espírito Santo de viver uma vida integra e fiel a palavra de Deus, mesmo em meio as lutas e adversidades da vida. É viver uma vida frutífera e demonstrar na sua vida diária a manifestação do fruto do Espírito. É ter a graça abundante de Deus em uma dinâmica poderosa para evangelizar, adorar, contribuir, dá testemunho e executar o serviço cristão em geral. Por incrível que pareça, é raro se encontrar em pleno século vinte e um, crentes cheios do Espírito Santo. Mais do que nunca, Deus está procurando pessoas que queiram enfrentar o desafio para serem cheias do Espírito Santo. É preciso coragem, determinação, renuncia e dependência total de Deus para ser cheio (a) do Espírito Santo. Em um mundo onde impera o pecado, trazendo consigo a maldade, a violência, a imoralidade e a falta de amor, é preciso sermos cheios do Espírito Santo para vencermos. A fonte está jorrando, o azeite está sendo derramado é só mergulhar no rio do Espírito e viver uma vida plena na presença de Deus. Amém!

TRÊS QUALIDADES DOS JOVENS CHEIOS DO ESPÍRITO SANTO:

1. SÃO FORTES, EM DEUS.
Eu vos escrevi, jovens, porque sois forte.

2. A PALAVRA DE DEUS HABITA NELES.
a palavra de Deus está em vós.

3. JÁ VENCERAM O MALIGNO.
já vencestes o maligno.

JOVENS CHEIOS DO ESPÍRITO SANTO.

E há de ser que, depois, derramarei do meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões (Joel, 2.28).
O grande desafio para esta geração atual de jovens é viver uma vida dedicada a Deus e cheia do Espírito Santo. Nunca foi fácil viver cheio do Espírito Santo, porém nunca será impossível.

QUATRO GRANDES DESAFIOS A SEREM VENCIDOS, E SE MANTER CHEIO DO ESPÍRITO SANTO.

1. O DESAFIO DO AVANÇO DA CIÊNCIA.

E tu, Daniel, fecha estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo; muitos correrão de uma parte para outra, e a ciência se multiplicará. Dn.12.4. 
Estamos vivendo na época da modernidade, onde o conhecimento científico e a tecnologia aumentam cada vez mais, isto vem deixando as pessoas acomodadas, orgulhosas e endeusadas, a ponto de desprezarem a bíblia, que é a palavra de Deus, para ficarem embriagadas com a tecnologia e a ciência. Diante de tudo isso, somos desafiados a fazer diferença. A ciência tem o seu lado positivo e benéfico, dentro de um equilíbrio. A bíblia diz: A ciência incha, mas o amor edifica (1Co.8.1). O crente pode e deve ser moderno. Mas, não deve ser mundano. Mas, todos os jovens crentes, há exemplo do jovem Daniel, devem ser cheios do Espírito Santo.

2. O DESAFIO DA MÍDIA.

Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Rm.12.1,2. 
A mídia tem o poder de dominar a mente das pessoas, trazendo informações negativas, e comportamentos distorcidos. A nossa mente é um campo de batalha, é preciso firmar a nossa mente em Deus e ter a sua palavra como escudo. O profeta Isaías nos diz: Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; Porque ele confia em ti. Confia no SENHOR perpetuamente; porque o Senhor Deus é uma rocha eterna (Is.26.3,4). Nesses últimos dias a mídia vem bombardeando as famílias e perturbando as mentes e os corações das pessoas, e mudando o comportamento da sociedade. O que é a mídia? A mídia é o mundo globalizado da informação, da propaganda e do entretenimento; que informa, propaga e diverte as pessoas, através do vídeo, do audio e da escrita. É preciso o crente está cheio do Espírito Santo, firmar suas convicções de fé em Deus e na sua palavra, e vencer o desafio de não ser manipulado pela mídia.

3. O DESAFIO DO SISTEMA MATERIALISTA.

Mas é grande ganho a piedade com contentamento. Porque nada trouxemos para este mundo e manifesto é que nada podemos levar dele. Tendo, porém sustento e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes. Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína. Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé e se traspassaram a si mesmos com muitas dores. 1Tm.6.6-10.
Vivemos em um mundo materialista onde as pessoas valem o que tem, e não o que são. O império materialista tem dominado o mundo, o capitalismo prega que, a concorrência, a competição e o individualismo é algo salutar e deve crescer cada vez mais. A sede pela prosperidade material, já se tornou uma epidemia descontrolada na vida das pessoas e elas vivem em uma ansiedade desenfreada em busca das coisas materiais. Por conta disso muitas pessoas estão trocando sua herança espiritual, em detrimento das coisas materiais. Não devemos nos deixar levar pelas coisas materiais, que são terrenas e passageiras; e sim darmos prioridades as coisas que são cima, que são de Deus e são eterna.

4. O DESAFIO DE VIVER PELA FÉ E CHEIO DO ESPÍRITO.

Porque ainda um poucochinho de tempo, e o que há de vir virá e não tardará. Mas o justo viverá da fé; e, se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele. Hb.10.37,38.
E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do Espírito. Ef.5.18.   
Somos desafiados a viver pela fé e cheios do Espírito, em um mundo de pessoas cada vez mais materialistas e vazias de Deus. Estar estabelecido um sistema materialista onde as pessoas crer naquilo que vê e vivem uma fé de interesses nas coisas materiais, e são oscilantes em relação a Deus e a sua palavra. Quando tudo vai bem, tem fé. Quando vem a adversidade, a fé acaba e vem o desespero. São pessoas que estão vivendo um tipo de fé superficial, fundamentada e baseada nos seus próprios conceitos e crença. Porém Jesus disse: Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre ( Jo.7.38). É preciso viver uma fé verdadeira, fundamentada na Escritura. Para vencer o desafio de viver pela fé e cheio do Espírito em pleno século 21, se faz necessário andar na contra mão do sistema do mundo.

FINALMENTE: 
Jovem! Você não é qualquer um, você é especial, você é um escolhido, você tem um chamado. O mundo passa e os seus prazeres, mas aquele que faz a vontade de Deus, vai permanecer para sempre. Decida-se definitivamente a entrega-se à Deus sem reservas, seja cheio do Espírito Santo, Deus vai te usar e Ele te exaltará com dupla honra. Amém!     

Cobrar para pregar isso é correto ?

Essa pergunta já me foi feita várias vezes e graças a Deus tenho minhas convicções muito bem firmadas. A essa pegunta batida e surrada a minha resposta é sempre a mesma: um reverberante não!

Jesus nunca cobrou para pregar às multidões, e assim deixou-nos a preciosa lição de que aquilo que recebemos de graça, devemos dar de graça também. O apóstolo Paulo, apesar das constantes necessidades que envolvem a obra missionária, nunca exigiu que nenhuma igreja lhe enviasse ofertas, antes recebia de bom grado e com ações de graças aquilo que lhe era enviado. A verdade é que nenhum dos apóstolos do Senhor jamais estipularam uma quantia para pregar a palavra de Deus em alguma cidade.

É claro que há alguns textos que enfatizam a necessidade de se sustentar os obreiros: “Digno é o obreiro do seu salário” (1Tm 5.18) e “o que é instruído na palavra, reparta seus bens com quem lhe instrui” (Gl 6.6) estão entre eles. Conheço essas passagens. Jamais disse que um pastor não é digno de receber salário. “O lavrador que trabalha deve ser o primeiro a colher os grãos” (2Tm 2.6). Não, meu irmão: eu não estou indignado com os pastores assalariados. Estes sim, são dignos de receber tal honra, haja vista o trabalho que desempenham. A minha indignação tem outro motivo.

Cada vez mais no nosso país se multiplicam as estrelas gospels, com seus super ternos marca Armani, seus sapatos de couro de jacaré, suas abotoadeiras de ouro 18 quilates e sua enfadonha e repetitiva mensagem. Muitos chegam a cobrar até 15 mil reais para pregar em uma só noite! É com essa corja infeliz que eu vocifero minha repulsa e desafeto.

Os pregadores shows, ou ainda animadores de auditório, são os trabalhadores mais caros de nosso país. Qual é o profissional formado que ganha 15 mil reais em uma hora de trabalho? Pois é: as estrelas gospels, pregadores de mega-eventos chegam a ganhar 15 mil reais por apenas uma hora de performance sobre um púlpito. Aliás, é por causa disso que vocês dificilmente me encontrarão em congressos de reteté, ovacionando um pacóvio que memorizou meia dúzia de chavões e já pensa que é pregador. Eu tenho colegas pastores que recebem como paga de um mês de pastoreio fiel de sua congregação apenas um salário mínimo e quando muito dois – sim, pois ao contrário do que se pensa, é isso que ganha um pastor da Assembléia de Deus, a maior denominação do nosso país, exceto os que presidem as instituições. Pois é: aí aparece um aventureiro que gravou um DVD lá na “Meca dos pentecostais” (quem lê, entenda) exigindo como salário de uma hora de pregação o que um pastor de igreja não ganha nem em um ano! Tá faltando é óleo de Peroba...

No mundo musical gospel a coisa é ainda pior: 15 mil reais em alguns casos só dá pra trazer o cantor na igreja para cantar 2 a 3 músicas, e só se for com play-back! Certa vez eu quis convidar uma cantora dessas para divulgar a nossa pequena rádio no interior de Minas Gerais, e a abençoada teve a audácia de exigir 17 mil reais, 12 passagens de avião (primeira classe, óbvio!), hotel de luxo e todas as despesas por nossa conta, e isso sem falar no aluguel do ginásio e do som. É claro que eu não “contratei” a irmã estrela.

Realmente esses cantores e pregadores shows são uma das classes mais abusivas que existem no meio evangélico. Eu disse “uma das classes” porque entendo que existe outra ainda pior: a dos contratantes das estrelas. Há centenas de obreiros frouxos que por não conseguirem manter o povo com a Palavra de Deus, contratam um profeta fanfarrão para dar ao povo pão e circo. E não só isso, mas também convidam estrelas extravagantes que com uma melodia hipnótica levam o povo a um frenesi doido. Estes, “choram” as suas melodias sem sentido tocadas geralmente em quatro acordes, enquanto pensam no cachê que vão receber logo depois que o “culto” acabar. Sim, os contratantes são os piores, pois estes tiram o dinheiro da boca do obreiro assalariado, que durante anos serve ao seu líder denominacional sem nunca levantar a voz e dão às estrelas (de)cadentes, que não têm nenhum compromisso com a igreja: pregam e cantão hoje aqui, e amanhã sabe Deus onde estarão... E assim, o dinheiro que poderia ser investido na assistencia social, na costrução de novas igrejas, em salário de obreiros e na obra missionária, acaba sendo entregue ao ídolo gospel. É isso que acontece nos mega-congressos da sua igreja, meu caro! Ou você pensa que aquele cantor super pop star e aquele pregador do reteté que prega na televisão vai na tua igreja de graça? Eles cobram, e o cachê deles é caríssimo.

É por isso que eu não pago pregador nem cantor para pregar na igreja; eu dou é valor na prata da casa, nos obreiros fiéis que estão ao meu lado e nos músicos da igreja. Que Deus me livre de tirar a comida da boca de um obreiro fiel que se dedica ao pastorado de tempo integral, para dar para um aventureiro farsante e aproveitador da fé alheia. Comigo não, violão! rs...

Não gosto, não apoio e não creio que essa exploração existente no mercado gospel seja bíblica. Quem cobra cachê para pregar nunca vai pregar na minha igreja (mesmo porque ela é pequena, obra missionária, e não tenho os 15 mil para pagar para as estrelas da pregação, rs). Verdadeiro é o ditado que diz que “o homem que se vende, não vale o que pede”.

Agindo Deus, quem impedirá?

Agindo Deus, quem impedirá?

Jó 42,2 – “Agora eu compreendo que Senhor pode fazer todas as coisas e que ninguém pode impedir o Senhor de realizar seus planos.”
Isaias 43, 13 – “Muito antes de o mundo existir, desde a eternidade, eu sou. Ninguém pode livrar alguém da minha mão. Quando eu faço alguma coisa, quem é capaz de impedir?
Essa palavra diz que ninguém é capaz de impedir o agir de Deus, os Seus planos serem realizados e principalmente a Sua vontade se estabelecer, pois, ninguém é forte e/ou ousado o suficiente de conseguir detê-lo.
O Senhor é poderoso, é imbatível e prepotente, já que quando age… ninguém o impede, ninguém se atreve. Ele pode tudo mesmo, acima de todas as circunstâncias. Se deseja e planejou, assim Ele fará, não há o que temer e nem motivos para desanimar e/ou duvidar.
Por isso, confie, a vontade e os propósitos Dele há de se realizar em sua devida hora, acima de todas as coisas e/ou circunstâncias.
Agindo Deus, quem impedirá? Ninguém!”

O Arrebatamento

Arrebatamento é um conceito que está presente em algumas interpretações da escatologia cristã, inclusive o dispensacionalismo, criadas a partir do século XIX, cujo pontapé inicial foi dado pelo ministro anglicano John Nelson Darby. É uma interpretação de vários livros bíblicos, como por exemplo o Apocalipse, livro da revelação dada ao apóstolo João sobre o futuro da humanidade. Trata-se de um momento no qual Jesus resgataria os salvos para a Nova Jerusalém, deixando na Terra os demais seres humanos que não o aceitaram como salvador.
De acordo com a maioria das pessoas que advogam essa tese, após o arrebatamento, haverá um grande caos na terra durante sete anos (três anos e meio de falsa paz e três anos e meio de guerras), com o governo do Anticristo (líder político mundial), do falso profeta(líder religioso ecumênico) e da Besta (O deus da religião do futuro). Esse período é chamado de Grande Tribulação. Após os sete anos Jesus voltaria novamente junto com os salvos para reinar no nosso planeta por mil anos. Após o milênio irá acontecer o Juízo Final e a construção do "novo céu" e da "nova Terra" (Nova Jerusalém).
Segundo algumas interpretações de certas passagens bíblicas — tais como I Tessalonicenses 4:13-17I Coríntios 15:51-52 e Mateus 24:40-41 — alguns textos bíblicos apresentam esta doutrina como uma realidade que impulsiona a fé e a esperança de um futuro sem dores, tristeza e morte.
exegese católica não crê em um arrebatamento nestes termos e nem tampouco nos mil anos literalmente falando que, para a mesma, consistiriam no lapso de tempo entre a Ascensão de Jesus e os tempos em que vivemos, mas na Parúsia, que é a segunda vinda de Jesus Cristo no final dos tempos e sua manifestação gloriosa ao mundo para julgar pessoalmente cada homem segundo sua fé e obras e a história humana. Os justos seriam salvos e gozariam a vida eterna, a criação será renovada e os maus condenados à eternidade sem Deus, que é o inferno.
No Antigo Testamento também se refere o arrebatamento de Elias, não sendo muito claro o significado deste acontecimento.
O conceito popularizou-se em anos recentes, tanto pelo avanço do esforço missionário pentecostais quanto pela difusão de obras que tentam divulgar esse conceito, das quais a mais notável é a série "Deixados Para Trás".

sábado, 30 de abril de 2016






Vivendo no Sobrenatural de Deus

Texto: 1 Rs 17 

Introdução: Precisamos aprender a viver no sobrenatural de Deus. Não podemos nos abalar diante das circunstâncias, mas devemos crer que o nosso Deus é o Deus dos impossíveis. Se você estiver disposto a caminhar com Deus, Ele se revelará em sua vida demonstrando que todo o poder está em suas mãos e te dará a vitória diante de todas as circunstancias e provações. 

Qual é o segredo para vivermos uma vida no sobrenatural de Deus? 

1 - Dependência total de Deus 
a - Deus protegeu o seu profeta das mãos de Acabe. “Veio-lhe a palavra do Senhor, dizendo: Retira-te daqui, vai para o lado oriental e esconde-te junto à torrente de Querite, fronteira ao Jordão” (v.2, 3) 
b - Deus sustentou o seu profeta de uma forma sobrenatural. “Foi, pois, e fez segundo a palavra do Senhor; retirou-se e habitou junto à torrente de Querite, fronteira ao Jordão. Os corvos lhe traziam pela manhã pão e carne, como também pão e carne ao anoitecer; e bebia da torrente” (v.5, 6) 
c - Você tem aprendido a depender somente de Deus? Compartilhe. 

2) Obediência total a Deus 
a - Elias obedeceu a Deus e foi para Sarepta. “Dispõe-te, e vai a Sarepta, que pertence a Sidom, e demora-te ali, onde ordenei a uma mulher viúva que te dê comida” (V.9) 
b - Elias seria sustentado mais uma vez de uma forma sobrenatural. “Porém ela respondeu: Tão certo como vive o Senhor, teu Deus, nada tenho cozido; há somente um punhado de farinha numa panela e um pouco de azeite numa botija; e, vês aqui, apanhei dois cavacos e vou preparar esse resto de comida para mim e para o meu filho; comê-lo-emos e morreremos. Elias lhe disse: Não temas; vai e faze o que disseste; mas primeiro faze dele para mim um bolo pequeno e trazes-mo aqui fora; depois, farás para ti mesma e para teu filho Porque assim diz o Senhor, Deus de Israel: A farinha da tua panela não se acabará, e o azeite da tua botija não faltará, até ao dia em que o Senhor fizer chover sobre a terra” (v.12-14) 
c - A obediência da mulher à palavra profética de Elias produziu prosperidade em sua casa. “Foi ela e fez segundo a palavra de Elias; assim, comeram ele, ela e a sua casa muitos dias. Da panela a farinha não se acabou, e da botija o azeite não faltou, segundo a palavra do Senhor, por intermédio de Elias” (v.15,16). 
d - Lembre-se, "a obediência precede a benção!" Compartilhe. 

3) Fé total em Deus 
a - Elias clamou ao Senhor e rogou que Deus ressuscitasse o filho da viúva. “E, estendendo-se três vezes sobre o menino, clamou ao Senhor e disse: Ó Senhor, meu Deus, rogo-te que faças a alma deste menino tornar a entrar nele. O Senhor atendeu à voz de Elias; e a alma do menino tornou a entrar nele, e reviveu” (v.21-22) 
b - Elias experimentou o milagre de Deus porque exercitou sua fé. “Ao que lhe respondeu Jesus: Se podes! Tudo é possível ao que crê” (Mc 9.23); “Para os homens é impossível; contudo, não para Deus, porque para Deus tudo é possível” (Mc 10.27). 
c - Como está a sua fé? Fraca, forte ou mais ou menos? Lembre-se: Sua fé determina e respalda sua conquista no sobrenatural! 

Conclusão: Deus nos tem chamado para vivermos no sobrenatural, Ele deseja que experimentemos grandes milagres e conquistemos uma vida espiritual abundante. Lembre-se disto, Deus tem coisas grandes e ocultas preparadas para todos nós! “Invoca-me, e te responderei; anunciar-te-ei coisas grandes e ocultas, que não sabes (Jr 33.3).

Todo cristão comprometido com Deus deseja do fundo do coração ser cheio do Espírito Santo

Todo cristão comprometido com Deus deseja do fundo do coração ser cheio do Espírito Santo. Mas, para que isso aconteça é preciso esvaziar o coração de tudo o que nos afasta do Senhor. A palavra ‘esvaziar’ significa ‘tornar vazio, desocupar’. Isto é, devemos desocupar a nossa casa espiritual (coração) para dar lugar ao Espírito de Deus. Se estivermos cheios de orgulho, vontade própria, vaidade, raiva, murmuração etc, então o Espírito Santo não terá espaço para atuar em nossas vidas.
É por isso que poucos vivem cheios do Espírito Santo, pois não querem negar a si mesmos e ter uma vida de obediência. Devemos seguir o exemplo de Paulo que abriu mão dos seus títulos religiosos, reconhecimento das pessoas e negou a sua vida para viver os planos de Deus. Veja o que ele disse:
"Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim" (Gálatas 2:20).
Enquanto não morremos para o nosso eu, não poderemos experimentar uma vida cheia do Espírito Santo. A Bíblia diz que "a carne deseja o que é contrário ao Espírito; e o Espírito, o que é contrário à carne. Eles estão em conflito um com o outro, de modo que vocês não fazem o que desejam" (Gálatas 5:17).
É impossível alguém ser controlado pela carne e viver a plenitude do Espírito. Para sermos cheios do Espírito Santo precisamos crucificar as obras da carne (Romanos 8:5) e renovar nossa mente dia após dia com a Palavra de Deus (Rm 12:1,2). Não é algo fácil, pois requer disciplina e perseverança, mas o resultado é maravilhoso! Quando estamos cheios do Espírito Santo, nós produzimos os frutos do Espírito: amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio” (Gálatas 5:22,23) e experimentamos a presença de Deus constantemente no nosso coração.
Jesus vivia em constante comunhão com o Pai e isso o capacitava a enfrentar os ataques de Satanás. Se quisermos também ser fortes espiritualmente para vencer as lutas e fazer a vontade de Deus, devemos exercer algumas práticas espirituais além da oração. Paulo nos ensina quais são elas:
"Não se embriaguem com vinho, que leva à libertinagem, mas deixem-se encher pelo Espírito, falando entre si com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando e louvando de coração ao Senhor, dando graças constantemente a Deus Pai por todas as coisas, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo. Sujeitem-se uns aos outros, por temor a Cristo" (Efésios 5:18-21).

1) Cantando louvores a Deus (versículo 19)

Muitas pessoas bebem para lidar ou fugir dos problemas e dificuldades emocionais. É uma forma de se refugiarem, mas Paulo disse que a melhor defesa para o cristão contra a tristeza e depressão é cantar louvores a Deus. Através de salmos, hinos e cânticos espirituais, levantamos o nosso espírito e o fortalecemos. Com isso somos capazes de ajudar e encorajar os outros. Os cânticos servem também para mostrarmos a nossa gratidão a Deus nos momentos de alegria (Tiago 5:13).

2) Dando graças a Deus (versículo 20)

Pessoas carnais geralmente se preocupam somente com as coisas deste mundo. Elas estão sempre alimentando a inveja, murmuração, frustração, mas o discípulo de Cristo está sempre agradecendo, pois ele enxerga a vida com os olhos da fé. Ele sabe que até mesmo as coisas que dão errado, Deus fará tudo cooperar para o seu bem. Quando entendemos que tudo que enfrentamos é para o nosso crescimento espiritual, e que os sofrimentos de hoje não se comparam com glória eterna reservada para nós (Rm 8:18), nós encontramos muitos motivos para agradecer.

3) Sujeitando uns aos outros (versículo 21)

Uma das coisas que mais trazem satisfação na vida é servir as pessoas. Aqueles que são egoístas e ambiciosos, nunca se sentem realizados e jamais serão cheios do Espírito Santo. Mas quando decidimos colocar em prática o amor e nos preocupamos com as necessidades dos outros, o Espírito Santo nos enche e sentimos uma alegria que não dá para explicar. Jesus disse: "Mais bem-aventurado é dar que receber" (Atos 20:35).
Você quer ser cheio do Espírito Santo? Esteja sempre louvando, agradecendo e servindo aos outros!


Familia.

















segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Profecias e Profetas O que é um Profeta e o que são as profecias?

A palavra “profeta” vem do grego “prophetes”, e significa “falar antes”, provavelmente devido a denominação antiga pela qual se chamava os profetas de “vidente”. (Antigamente em Israel, indo alguém consultar a Deus, dizia assim: Vinde, vamos ao vidente; porque ao profeta de hoje, outrora se chamava vidente.) I Samuel 9:9. Ou seja, achava-se que o profeta saberia das coisas, receberia visões de Deus, por isto Saul queria achar Samuel, para saber de seu animal perdido.
Biblicamente os profetas são
 “a voz de Deus” para os homens, assim sendo: os sacerdotes são a intermediação do homem para com Deus e os profetas são os porta vozes das mensagens de Deus para o homem. Resumir as profecias a predições do futuro é no caso reduzir ao mínimo a intenção das profecias de Deus.
Mas o que profetiza fala aos homens para edificação, exortação e consolação. I Corintios 14:3
Com este texto fica claro que a intenção principal da profecia é a edificação da igreja. Através dos antigos, Deus profetizava sobre vários acontecimentos, mas principalmente sobre a vinda de Cristo que é o ponto central das profecias do Antigo Testamento.
Todas estas profecias escrita na Bíblia são a Palavra de Deus enviada a nós, através do relato Fiel dos Profetas que escreveram pela Inspiração do Espírito Santo.
Note o que o Apóstolo Pedro escreveu:
 Pois a Profecia nunca foi produzida por vontade dos homens, mas os homens, santos da parte de Deus falaram movidos pelo Espírito Santo. II Pedro 1:2
Por sua especial Providência, Deus cuidou que as profecias e escritos bíblicos fossem registrados sem falha até que fossem estabelecidos.
Devido a Bíblia está já completa, o dom da Profecia dado pelo Espírito Santo é diferente das Profecias Bíblicas.
O principal propósito da Profecia, revelada sob A Unção do Espírito Santo hoje, não é falar de eventos futuros, mas Edificar, Exortar e Consolar os crentes. A Bíblia ensina claro em I Cor 14:3.

Profetizar é um dos nove dons do Espírito. Segui o amor; e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar. I Corintios 14:1
Com relação ao Dom de profetizar, com certeza Deus pode predizer o futuro, mas o dom nunca pode ser considerada igual a Bíblia, muito menos substituí-la. Pois muitas pessoas procuram antes de tudo os “profetas” para saber se tem alguma “palavra de Deus” para elas, como se os profeta fosse um “adivinho”. Afinal temos essa curiosidade pelo futuro, se algo vai dar certo ou errado, etc. Mas antes de tudo temos a Bíblia, palavra de Deus completa e o nosso livre arbítrio para decidir. Então a responsabilidade pela escolha é nossa, e não de Deus.
O profeta que se refere I Corintios 14 é basicamente o sacerdote, ou quem prega a Palavra de Deus, para a igreja, edificação e conversão de alguém.
Só existe profecia vinda de Deus, pois só Deus tem o poder de saber o futuro e altera-lo, porque só Deus é Oniscientes (sabe tudo), só Deus é Todo Poderoso (Pode tudo). E para saber se a profecia vem de Deus:
Primeiramente ela tem de ser confirmada com a Bíblia.
 A Lei e ao Testemunho! se eles não falarem segundo esta palavra, nunca lhes raiará a alva. Isaias 8:20. Ou seja confira se ela tem fundamento bíblico para ser dita. Se não, é falsa.
Depois confira com o que você tem dentro do seu coração, porque,
 O Espírito mesmo testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus; Romanos 8:16
E finalmente fale com outros sobre a profecia para julgarem. E falem os profetas, dois ou três, e os outros julguem. I Corintios 14:29. Ou seja, a Bíblia, manda você não dar credito cego as profecias, mas tirar provas sobre se ela é verdadeira e não ser enganado nunca. Perceba que na Bíblia Deus nunca repreendeu ninguém por pedir provas sobre ele, veja os exemplos de Moises, Josué, Gideão, e até do próprio Tomé que não acreditou simplesmente pelos que os outros disseram, mas quis se certificar pessoalmente de tudo. 
O diabo não pode profetizar, pois o único futuro que ele sabe é o da sua própria ruína, mas ele sabe mentir.: ... ele é homicida desde o princípio, e nunca se firmou na verdade, porque nele não há verdade; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio; porque é mentiroso, e pai da mentira. João 8:44 b. A estratégia do diabo é mentir e induzir ao erro, falando coisas para incentivar o homem ao engano como no caso de Adão e Eva, falando que eles seriam iguais a Deus. Iludindo através de visões, sonhos e vozes falsamentes atribuídas a Deus, inclusive usando até a própria Bíblia para induzir ao erro. e disse-lhe: Se tu és Filho de Deus, lança-te daqui abaixo; porque está escrito: Aos seus anjos dará ordens a teu respeito; e: eles te susterão nas mãos, para que nunca tropeces em alguma pedra. Mateus 4:6. O diabo usa as Escritura tentando induzir Jesus a tentar Deus. Coisas que ele tenta fazer com os crentes, distorcendo a Bíblia para iludir os crentes.
Também o diabo pode soprar nos ouvidos das pessoas induzindo elas a pensarem que estão sendo usadas por Deus ou um ser benéfico, como no caso:
 E Pedro, tomando-o à parte, começou a repreendê-lo, dizendo: Tenha Deus compaixão de ti, Senhor; isso de modo nenhum te acontecerá.
Ele, porém, voltando-se, disse a Pedro: Para trás de mim, Satanás, que me serves de escândalo; porque não estás pensando nas coisas que são de Deus, mas sim nas que são dos homens.Mateus 16:22-23
. Pedro pensava estar fazendo algo bom, mas na verdade estava sendo usado pelo diabo.
Então os filhos dos profetas que estavam em Betel saíram ao encontro de Eliseu, e lhe disseram: Sabes que o Senhor hoje tomará o teu senhor por sobre a tua cabeça? E ele disse: Sim, eu o sei; calai-vos.II Reis 2:3
Eliseu recebeu a visita três vezes desses “filhos dos profetas” em Betel, em Jericó e no Jordão, profetizando as mesmas coisa, dizendo o que Eliseu já sabia. A Bíblia chama essas pessoas de “filhos dos profetas” porque elas não são profetas, mas sim imitadores, admiradores da unção de profecia, e querem participar disso, por isso o interesse de falar tanto do que todos já sabiam. Isto acontece muito hoje com os “filhos dos profetas” atuais, perceba muitas “profecias dadas por Deus”:
Deus vai te dar vitória – Ora a Bíblia diz: M
as em todas estas coisas somos mais que vencedores, por aquele que nos amou. Romanos 8:37. Jesus já venceu por nós e nos da uma vida vitoriosa sempre, apesar das dificuldades, venceremos sempre.
Você será uma benção nas mãos de Deus – A Bíblia diz: .
.deveras te abençoarei, e grandemente multiplicarei a tua descendência... Gênesis 22:17. A benção de Deus está garantida aos que obedecem a Ele.
E existem muitas outras coisas que Deus já profetizou na Bíblia, tais como uma vida familiar bendita, as 

"Por que é importante a freqüência à igreja?"

Resposta:A Bíblia nos diz que precisamos ir à igreja para que possamos adorar a Deus com outros crentes e ser instruídos em Sua Palavra para nosso crescimento espiritual (Atos 2:42; Hebreus 10:25). A igreja é o lugar onde os crentes podem amar uns aos outros (I João 4:12), exortar uns aos outros (Hebreus 3:13), “estimular” uns aos outros (Hebreus 10:24), servir uns aos outros (Gálatas 5:13), instruir uns aos outros (Romanos 15:14), honrar uns aos outros (Romanos 12:10) e ser bondosos e misericordiosos uns com os outros (Efésios 4:32).

Quando alguém confia em Jesus Cristo para salvação, é feito membro do Corpo de Cristo (I Coríntios 12:27). Para que o corpo da igreja funcione corretamente, todas as “partes do corpo” precisam estar presentes (I Coríntios 12:14-20). Da mesma forma, um crente nunca alcançará completa maturidade espiritual sem a ajuda e encorajamento de outros crentes (I Coríntios 12:21-26). Por estes motivos, a freqüência à igreja, a participação e a fraternidade devem ser aspectos regulares da vida de um crente. A freqüência semanal à igreja não é obrigação para os crentes, mas alguém que confiou em Cristo deve ter um desejo de adorar a Deus, aprender Sua Palavra e ter comunhão com outros crentes.

Leia mais:http://www.gotquestions.org/Portugues/frequencia-igreja.html#ixzz3EjdnvZRn

Como Voltar para Deus? A Palavra da Reconciliação (2 Coríntios 5:19) Parte 2

Para nos reconciliar com Deus, é imprescindível um coração arrependido que deseje, acima de tudo, estar em comunhão com o Senhor (veja os comentários sobre Salmo 51 no artigo anterior – Quero Voltar para Deus). Mas o desejo do coração precisa ser demonstrado. É necessário agir para nos aproximar de Deus. Neste artigo, vamos considerar a importância da nossa ação e algumas coisas que precisamos fazer para voltar ao Senhor.
Levantar e Ir
Quando Jesus enfrentou a auto-justiça e falta de compaixão dos fariseus e escribas, ele contou uma série de parábolas sobre perdidos e achados (Lucas 15). Da terceira destas parábolas, geralmente conhecida como a Parábola do Filho Pródigo, aprendemos algumas lições importantes sobre como voltar para a casa do nosso Pai. Nesta história, um filho ingrato pediu a sua herança (enquanto seu pai ainda estava vivo!) e saiu de casa. Gastou o seu dinheiro numa vida de libertinagem e logo se encontrou passando fome numa terra estranha (Lucas 15:11-16). Ele chegou ao fundo do poço, e representa a situação de cada um de nós quando nos entregamos ao pecado. Quando abandonamos o Pai que nos criou e que nos ama e usamos os nossos recursos – tempo, dinheiro, energia, a própria vida – no pecado, fazemos a mesma coisa que o filho rebelde fez. Vivemos desperdiçando no pecado as coisas boas que recebemos do Pai. Reconhecendo ou não a nossa condição espiritual, chegamos ao fundo do poço do pecado.
O filho reconheceu o seu problema, e viu que não era necessário sofrer tanto. Ele lembrou da bondade de seu pai: “ Então, caindo em si, disse: Quantos trabalhadores de meu pai têm pão com fartura, e eu aqui morro de fome!” (Lucas 15:17). Antes de voltar para Deus, precisamos chegar ao ponto de compreender que a vida com ele é muito melhor do que a vida no mundo do pecado. Este entendimento pode vir por meio de sofrimento e conseqüências que o pecado traz na nossa vida, ou pode vir por cansar da futilidade de prazeres que nunca satisfazem as nossas necessidades reais. Antes de voltar para Deus, temos de perceber que estamos afastados dele.
Ele decidiu agir em humildade. Uma vez que encarou o seu problema, o filho se arrependeu; ele decidiu mudar. Disse consigo: “Levantar-me-ei, e irei ter com o meu pai, e lhe direi: Pai, pequei contra o céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus trabalhadores” (Lucas 15:18-19). Nós precisamos da mesma atitude do arrependimento para chegar ao Senhor. Primeiro, decidamos agir – “levantar-me-ei”. Segundo, busquemos a Deus com humildade – ”já não sou digno”. A pessoa que se acha digna e merecedora da salvação jamais chegará a Deus (Romanos 10:3; Efésios 2:8-9).
O filho arrependido agiu, e voltou para o Pai. É importante reconhecer o problema e decidir como agir, mas precisa seguir o plano. Muitas pessoas lamentam sua situação no pecado e até prometem voltar para Deus, mas continuam dia após dia sem fazer nada. O filho rebelde fez o que falou: “E, levantando-se, foi para seu pai. Vinha ele ainda longe, quando seu pai o avistou, e, compadecido dele, correndo, o abraçou, e beijou. E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho” (Lucas 15:20-21). Não é fácil nos humilhar para admitir o nosso pecado e nos entregar à misericórdia de Deus. O orgulho humano luta contra este desejo de nos reconciliar com o Pai. Mas a nossa salvação e a nossa esperança eterna dependem de Deus, e da nossa decisão de nos submeter a ele.
Quando o filho rebelde voltou, ninguém tomou a decisão por ele. Ele não foi induzido ou levado por outros. Este filho tomou a sua própria decisão e se reconciliou com seu pai. Observamos, também, que ninguém impediu a salvação dele. Mesmo o irmão mais velho, que não o aceitou bem, não foi capaz de manter este homem afastado de seu pai. Da mesma forma, a decisão sobre a nossa salvação é nossa. Ninguém nos força a voltarmos para Deus, e ninguém é capaz de impedir a nossa reconciliação com o Pai. Nós decidimos buscar a Deus ou não. Queremos, mais do que qualquer outra coisa, estar em comunhão com Deus?
Duas Situações Diferentes
Quem precisa se reconciliar com Deus? Há duas situações em que precisamos voltar para Deus: 1. O pecador que nunca se converteu a Cristo, e 2. O cristão desviado – aquele que começou a andar com Deus e desviou. Vamos ver o que cada pessoa precisa fazer.
O Pecador Que Ainda Não Converteu-se
Jesus enviou os apóstolos ao mundo para pregar a mensagem da reconciliação. “E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura” (Marcos 16:15). A palavra que eles falaram e escreveram tinha um propósito fundamental: “Estes, porém, foram registrados para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome” (João 20:31). Para reconciliar-se com Deus, o pecador que ouve a mensagem de Cristo precisa reagir. É necessário:
    ● Crer em Jesus. “De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam.” (Hebreus 11:6). Jesus disse: “Porque, se não crerdes que EU SOU, morrereis nos vossos pecados” (João 8:24).
    ● Confessar a fé em Jesus. A fé verdadeira nos leva, naturalmente, à confissão aberta. Paulo escreveu: “Porque com o coração se crê para justiça e com a boca se confessa a respeito da salvação” (Romanos 10:10). Jesus disse: “Portanto, todo aquele que me confessar diante dos homens, também eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus; mas aquele que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante de meu Pai, que está nos céus” (Mateus 10:32-33).
    ● Arrepender-se dos pecados. Foi o pecado que nos afastou de Deus, e o arrependimento do pecado é uma das condições para nos reconciliar com o Senhor. Jesus disse: “Se, porém, não vos arrependerdes, todos igualmente perecereis” (Lucas 13:3,5). Pedro pregou a mesma mensagem ao povo de Jerusalém: “Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados” (Atos 3:19).
    ● Ser batizado para remissão dos pecados. Para chegar à comunhão com o Senhor, precisamos ser batizados. Jesus disse: “Quem crer e for batizado será salvo” (Marcos 16:16). Pedro respondeu a pergunta dos judeus perdidos no Dia de Pentecostes com estas instruções: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo” (Atos 2:38). Três dias depois de encontrar Jesus no caminho para Damasco, Saulo permanecia no pecado e precisava do perdão de Deus. Ananias o instruiu: “Levanta-te, recebe o batismo e lava os teus pecados” (Atos 22:16). O mesmo Saulo (mais conhecido como Paulo) afirmou que o batismo é o sepultamento que precede a nova vida (Romanos 6:3-4). Também disse que é pelo batismo que entramos em Cristo (Gálatas 3:27). O próprio Jesus disse que o batismo nos conduz à comunhão com o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Mateus 28:19).
O Cristão que se Desviou
Uma boa parte do Novo Testamento foi escrita para ajudar os cristãos manterem-se no caminho do Senhor. Não devemos desviar, mas existe o perigo real de cair na tentação e se afastar novamente de Deus. Pedro disse que é pior para o cristão voltar para o pecado do que nunca ter-se convertido (2 Pedro 2:20-22). Tiago disse: “Meus irmãos, se algum entre vós se desviar da verdade, e alguém o converter, sabei que aquele que converte o pecador do seu caminho errado salvará da morte a alma dele e cobrirá multidão de pecados” (Tiago 5:19-20).
Ese isso acontecer comigo, o que eu preciso fazer? Preciso ser batizado novamente cada vez que tropeço? Não! Veremos o que as Escrituras dizem, usando o exemplo de um discípulo em Samaria que caiu. Simão creu e foi batizado (Atos 8:13) e, em seguida, caiu no pecado. Juntando as informações do caso dele e alguns outros trechos, aprendemos que:
    ● O pecado do cristão o condena. Pedro disse que Simão estava no “laço da iniqüidade” (Atos 8:23).
    ● O cristão que peca precisa se arrepender. Pedro lhe disse: “Arrepende-te” (Atos 8:22).
    ● O discípulo que peca precisa orar e pedir perdão. Pedro disse a Simão: “Roga ao Senhor; talvez te seja perdoado o intento do coração” (Atos 8:22).
    ● Quando o cristão confessa seus pecados, Deus os perdoa (1 João 1:7 - 2:2).
    ● Quando temos pecado contra outras pessoas, devemos confessar e pedir perdão a elas (Mateus 18:15-17; Lucas 17:3-4; Tiago 5:16).
Vamos Voltar!
Todos nós pecamos. Deus é misericordioso e quer nos perdoar. Cabe a nós aceitarmos os termos dele para alcançar a bênção da vida eterna na presença do nosso Senhor!

A Santidade de Deus

"Santo, santo, santo é o SENHOR dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória" (Isaías 6:3). Com estas palavras, os serafins louvaram a Deus por sua perfeita santidade. 800 anos depois, João viu, numa visão semelhante, os quatro seres viventes proclamando: "Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso" (Apocalipse 4:8). Talvez a única outra característica de Deus que tem a mesma importância de sua santidade seja seu amor (1 João 4:8). De Gênesis ao Apocalipse, as Escrituras enfatizam a santidade de Deus. É um aspecto de sua natureza que nós devemos estudar muito e freqüentemente.
O significado da palavra "santo"
Santo quer dizer "separado". Deus é separado de nós em dois sentidos. Primeiro, ele é o Criador e nós somos suas criaturas. Ana louvou o Deus único, porque "É o que tira a vida e a dá" (1 Samuel 2:2,6). Esta diferença excede nossa imaginação. Como Criador, ele está acima de todos os povos (Salmo 99:1-3). Isaías fala da grandeza de Deus em relação à criação. Ele é "o eterno Deus, o SENHOR, o Criador..." (Isaías 40:28). No mesmo capítulo, Deus desafia suas criaturas com estas palavras: "A quem, pois, me comparareis para que eu lhe seja igual? -- diz o Santo" (Isaías 40:25). A conclusão importante de Isaías é que as criaturas não são nada em comparação com o Criador: "Eis que as nações são consideradas por ele como um pingo que cai de um balde e como um grão de pó na balança; as ilhas são como pó fino que se levanta. Nem todo o Líbano basta para queimar, nem os seus animais, para um holocausto. Todas as nações são perante ele como coisa que não é nada; ele as considera menos do que nada, como um vácuo. Com que comparareis a Deus? Ou que coisa semelhante confrontareis com ele?" (Isaías 40:15-18). Deus é separado de nós porque ele nos criou do nada.

O segundo sentido em que Deus é santo trata de sua relação com o pecado. Ele é puro e certo, acima de todo pecado e toda maldade. Por esse motivo, ele é separado dos homens pecadores. "Então, Josué disse ao povo: Não podereis servir ao S
ENHOR, porquanto é Deus santo, Deus zeloso, que não perdoará a vossa transgressão nem os vossos pecados. Se deixardes o SENHOR e servirdes a deuses estranhos, então, se voltará, e vos fará mal, e vos consumirá, depois de vos ter feito bem" (Josué 24:19-20). Deus é separado de nós porque ele nos criou com livre arbítrio, e nós decidimos pecar. Deus nos convida a ser santos, livres do pecado, pela graça e pelo amor dele (1 Pedro 1:15-16).
Deus é Santo
Asantidade é uma qualidade central de Deus. Ele não apenas decide o que é  certo; ele mesmo é certo! Por exemplo, é impossível que Deus minta   (Hebreus 6:18). Eliú entendeu esse fato quando disse: "...longe de Deus o praticar ele a perversidade, e do Todo-Poderoso o cometer injustiça" (Jó 34:10).

Deus ama a justiça. Salmo 24 mostra que Deus aceita os puros e justos. Pela santa natureza dele, não há outra possibilidade. "Porque a palavra do S
ENHOR é reta, e todo o seu proceder é fiel. Ele ama a justiça e o direito; a terra está cheia da bondade do SENHOR(Salmo 33:4-5). Da mesma forma que ele ama os justos, ele rejeita a iniqüidade e os malfeitores. As palavras de Salmo 5:4-5 são claras e até duras: "Pois tu não és Deus que se agrade com a iniqüidade, e contigo não subsiste o mal. Os arrogantes não permanecerão à tua vista; aborreces a todos os que praticam a iniqüidade." Quando Habacuque procurou entender os atos de Deus, ele baseou sua pergunta na justiça de Deus: "Tu és tão puro de olhos, que não podes ver o mal e a opressão não podes contemplar..." (Habacuque 1:13).

Porque Deus é santo, ele usa linguagem revoltante para descrever o pecado. Ele diz que idolatria é "coisa abominável que aborreço" (Jeremias 44:4). Ele compara o pecado ao lamaçal no qual a porca se revolve e ao vômito que o cachorro lambe (2 Pedro 2:22). Nas Escrituras, não se pode separar o pecado da morte e da corrupção de decomposição que associamos com a morte. Se tais imagens nos enjoam, é porque o pecado é nojento para Deus.
A santidade de Deus é revelada na palavra dele
O homem aprende discernir entre o bem e o mal através da revelação de Deus (Isaías 1:16-17; 2:3). Nas Escrituras, o Espírito Santo tem revelado para nós as coisas de Deus para que possamos desenvolver a mente de Cristo (1 Coríntios 2:10-16). É importantíssimo entender que a desobediência a qualquer mandamento que Deus tem nos dado é ofensa contra a própria pessoa dele. Pense nesse fato na próxima ocasião que você enfrenta a tentação de deixar de lado algum mandamento do Senhor, dizendo que "Deus não se importa com isso". Ele se importou em falar. Ele se importou em mandar seu Filho para ensinar e para morrer. Ele se importou em enviar os apóstolos ao mundo.

O pecado é desobediência da vontade de Deus (Salmo 51:4; 1 João 3:4). Qualquer pecado, o menor que seja nas opiniões dos homens, é traição e ingratidão em relação ao nosso Criador. Jesus disse que o amor a ele exige obediência aos seus mandamentos (João 14:15). O Pai havia falado a mesma coisa quase 1500 anos antes (Êxodo 20:6).
A santidade de Deus é revelada na ira dele
Encontramos nas Escrituras diversas ocasiões em que Deus mostrou sua ira contra pecadores. Considere alguns exemplos. "Pelo que, como a língua de fogo consome o restolho, e a erva seca se desfaz pela chama, assim será a sua raiz como podridão, e a sua flor se esvaecerá como pó; porquanto rejeitaram a lei do S
ENHOR dos Exércitos e desprezaram a palavra do Santo de Israel. Por isso, se acende a ira do SENHORcontra o seu povo, povo contra o qual estende a mão e o fere, de modo que tremem os montes e os seus cadáveres são como monturo no meio das ruas. Com tudo isto não se aplaca a sua ira, mas ainda está estendida a sua mão." (Isaías 5:24-25). Na mesma época, Deus explicou o castigo do povo desobediente: "O SENHOR advertiu a Israel e a Judá por intermédio de todos os profetas e de todos os videntes, dizendo: Voltai_vos dos vossos maus caminhos e guardai os meus mandamentos e os meus estatutos, segundo toda a Lei que prescrevi a vossos pais e que vos enviei por intermédio dos meus servos, os profetas.... e venderam_se para fazer o que era mau perante o SENHOR, para o provocarem à ira. Pelo que o SENHOR muito se indignou contra Israel e o afastou da sua presença; e nada mais ficou, senão a tribo de Judá" (2 Reis 17:13,17-18). Estas conseqüências do pecado foram previstas por Samuel no início do reino de Israel, 300 anos antes de Isaías. Samuel disse: "Se, porém, não derdes ouvidos à voz do SENHOR, mas, antes, fordes rebeldes ao seu mandado, a mão do SENHOR será contra vós outros, como o foi contra vossos pais" (1 Samuel 12:15).

Às vezes, pessoas descartam tais exemplos da ira de Deus, sugerindo que o Deus do Velho Testamento é diferente do que o do Novo Testamento. Enquanto a aliança realmente mudou, o Deus que nos governa é o mesmo. A santidade dele não diminuiu, e ele continua rejeitando pecado e pecadores. O Novo Testamento nos assegura que Deus ainda responde ao pecado com ira. Romanos 11:22 diz: "Considerai, pois, a bondade e a severidade de Deus: para com os que caíram, severidade; mas, para contigo, a bondade de Deus, se nela permaneceres; doutra sorte, também tu serás cortado." O livro de Hebreus diz que Deus é até mais severo hoje do que na época da antiga aliança (Hebreus 2:2-3). Depois, ele reafirma este fato: "Sem misericórdia morre pelo depoimento de duas ou três testemunhas quem tiver rejeitado a lei de Moisés.  De quanto mais severo castigo julgais vós será considerado digno aquele que calcou aos pés o Filho de Deus, e profanou o sangue da aliança com o qual foi santificado, e ultrajou o Espírito da graça? Ora, nós conhecemos aquele que disse: A mim pertence a vingança; eu retribuirei. E outra vez: O Senhor julgará o seu povo. Horrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo" (Hebreus 10:28-31). A ira de Deus é inseparável de sua santidade. Se Deus aceitasse o pecado, ele não seria santo.
Lições e aplicações práticas
Quando meditamos sobre a santidade de Deus, ficamos mais fortes e mais determinados a viver livres do pecado. Considere três aplicações que devemos fazer no nosso dia-a-dia.
1. Precisamos entender melhor a gravidade do pecado. Não é brincadeira. Não é pequena coisa. Não existe "pecadinho". Nós precisamos aprender como detestar o pecado com o mesmo zelo que Deus demonstra (veja Números 25:6-8,11; Jeremias 48:10).

2. Devemos valorizar mais o amor profundo de Deus em nos salvar do pecado, e viver como povo grato (Tito 2:11-14; 3:4-7).

3. A
s pessoas já salvas naturalmente sentirão o desejo de compartilhar as boas novas com outras pessoas (Romanos 9:1-3; 10:1). Este importante trabalho não será feito por grandes projetos humanos nem à base de obrigação. A pessoa que medita todos os dias na santidade de Deus, que agradece pela graça de Deus na sua própria vida, que aprende odiar o pecado como o Santo Deus o odeia, vai evangelizar sem ninguém pedir. Se você não sente a vontade de ensinar outros, é porque você não valoriza a santidade de Deus, e não acredita na profundidade do pecado do homem.
Nosso desafio
Nós fomos criados à imagem do Santo Deus, e desafiados a imitar o caráter dele. Tanto no Velho Testamento (veja Levítico 11:45) como nos dias de hoje, a santidade é o alvo de todos os servos de Deus. Paulo nos encoraja:"Tendo, pois, ó amados, tais promessas, purifiquemo_nos de toda impureza, tanto da carne como do espírito, aperfeiçoando a nossa santidade no temor de Deus" (2 Coríntios 7:1).

MINISTÉRIO SALVAÇÃO SÓ EM CRISTO

MINISTÉRIO SALVAÇÃO SÓ EM CRISTO

Á serviço do Senhor Jesus Pregando por todo Brasil!!!!!

Á serviço do Senhor Jesus Pregando por todo Brasil!!!!!
telefone: (12) 3021-2073 / 9107-6291

Á serviço do Senhor Jesus Pregando por todo Brasil!!!!!

Á serviço do Senhor Jesus Pregando por todo Brasil!!!!!
telefone: (12) 3209 5410 / 91076291

cruzada leão da tribo de juda.